Capítulo: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42

0:00
0:00

Capítulo 23

Respondeu, porém, Jó e disse:
2 Ainda hoje a minha queixa está em amargura; a violência da minha praga mais se agrava do que o meu gemido.
3 Ah! Se eu soubesse que o poderia achar! Então me chegaria ao seu tribunal.
4 Com boa ordem exporia ante ele a minha causa e a minha boca encheria de argumentos.
5 Saberia as palavras com que ele me responderia e entenderia o que me dissesse.
6 Porventura, segundo a grandeza de seu poder contenderia comigo? Não; antes, cuidaria de mim.
7 Ali, o reto pleitearia com ele, e eu me livraria para sempre do meu juiz.
8 Eis que, se me adianto, ali não está; se torno para trás, não o percebo.
9 Se opera à mão esquerda, não o vejo; encobre-se à mão direita, e não o diviso.
10 Mas ele sabe o meu caminho; prove-me, e sairei como o ouro.
11 Nas suas pisadas os meus pés se afirmaram; guardei o seu caminho e não me desviei dele.
12 Do preceito de seus lábios nunca me apartei e as palavras da sua boca prezei mais do que o meu alimento.
13 Mas, se ele está contra alguém, quem, então, o desviará? O que a sua alma quiser, isso fará.
14 Porque cumprirá o que está ordenado a meu respeito e muitas coisas como estas ainda tem consigo.
15 Por isso, me perturbo perante ele; e quando isto considero, temo-me dele.
16 Porque Deus macerou o meu coração, e o Todo-poderoso me perturbou.
17 Porquanto não fui desarraigado antes das trevas, nem encobriu a escuridão o meu rosto.