Capítulo: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42

0:00
0:00

Capítulo 5

Chama agora; há alguém que te responda? E para qual dos santos te virarás?
2 Porque a ira destrói o louco; e o zelo mata o tolo.
3 Bem vi eu o louco lançar raízes; mas logo amaldiçoei a sua habitação.
4 Seus filhos estão longe da salvação; e são despedaçados às portas, e não há quem os livre.
5 A sua messe a devora o faminto, que até dentre os espinhos a tira; e o salteador traga a sua fazenda.
6 Porque do pó não procede a aflição, nem da terra brota o trabalho.
7 Mas o homem nasce para o trabalho, como as faíscas das brasas se levantam para voar.
8 Mas quanto a mim eu buscaria a Deus, e a ele dirigiria a minha fala.
9 Ele faz coisas tão grandiosas, que se não podem esquadrinhar; e tantas maravilhas que se não podem contar.
10 Ele dá a chuva sobre a terra e envia água sobre os campos,
11 para pôr os abatidos num lugar alto; e para que os enlutados se exaltem na salvação.
12 Ele aniquila as imaginações dos astutos, para que as suas mãos não possam levar coisa alguma a efeito.
13 Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos perversos se precipita.
14 Eles, de dia, encontram as trevas; e, ao meio-dia, andam como de noite, às apalpadelas.
15 Mas ao necessitado livra da espada da sua boca, e da mão do forte.
16 Assim, há esperança para o pobre; e a iniquidade tapa a sua própria boca.
17 Eis que bem-aventurado é o homem a quem Deus castiga; não desprezes, pois, o castigo do Todo-poderoso.
18 Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam.
19 Em seis angústias, te livrará; e, na sétima, o mal te não tocará.
20 Na fome, te livrará da morte; e, na guerra, da violência da espada.
21 Do açoite da língua estarás abrigado; e não temerás a assolação, quando vier.
22 Da assolação e da fome te rirás; e os animais da terra não temerás.
23 Porque até com as pedras do campo terás a tua aliança; e os animais do campo estarão contigo.
24 E saberás que a tua tenda está em paz; e visitarás a tua habitação, e nada te faltará.
25 Também saberás que se multiplicará a tua semente, e a tua posteridade, como a erva da terra.
26 Na velhice virás à sepultura, como se recolhe o feixe de trigo a seu tempo.
27 Eis que isto já o havemos inquirido, e assim é; ouve-o e medita nisso para teu bem.